segunda-feira, 25 de junho de 2012

Contas

Pelas minhas contas os próximos meses serão de preocupações em demasia e dinheiro em excassez;
Pelas minhas contas usarei abonos médicos sucessivos e gastarei todo meu estoque de justificativas para tal feito;
Pelas minhas contas a mentira será a mais nova companheira de jornada e a verdade será privilégio de poucos;
Pelas minhas contas terei que repetir milhares de vezes "está tudo bem" e terei que encontrar justificativas injustificáveis pela minha ausência temporâria de sorrisos;
Pelas minhas contas está na hora de parar de fazer contas.

Inspiração


Encontrei esse vídeo. É um pouco antigo, mas nem por isso deixa de ser completamente inspirador.


video

domingo, 24 de junho de 2012

O fim da ilusão do controle

Um traço bastante característico da minha personalidade é a tendência controladora. Esse pode ser um aspecto desconhecido para quem me conhece pouco, mas quem me conhece intimamente sabe que quero sempre "fazer algo", consertar as coisas, fazer com que tudo aconteça como eu planejei... E, em função dessa tendência, estou sempre falando, agindo, tentando convencer alguém, persuadindo, indo atrás para que as coisas aconteçam como eu quero. Eu não fico parada esperando as "coisas acontecerem".
Confesso que gosto desse meu jeito e, no fundo, me orgulho de ser assim. Por outro lado, é justamente essa minha característica que tem me passado a maior rasteira de todos os tempos: a completa falta de controle sobre a vida!
À duras penas tenho me deparado diariamente com minha completa impossibilidade de modificar as coisas ao meu redor. As coisas simplesmente não acontecem como eu gostaria, não importa o que eu faça!
Simultaneamente a situação de meu trabalho, de minha mãe, de minha saúde, minhas relações etc... tudo foge ao meu controle. Não há conversa, não há mudança de comportamento, não há reunião, não há NADA que eu possa fazer nestes casos. A vida simplesmente tem um curso próprio, independente da minha vontade. E o que fazer com isso...
No meu caso, aceitar. Não posso fazer nada além de aceitar, tentar acalmar meu coração, procurar ser menos atingida pelas coisas ao me redor e buscar cuidar de mim mesma. Apenas isso.
Parece simples, mas aceitar minha impotência frente a vida é uma tarefa muito dura. É ir contra parte de minha essência.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Confusão mental

Será que revitalizar o blog pode ser um caminho para colocar um pouco de ordem em minha confusão mental?